Sinais e sintomas da leucemia

Os sintomas da leucemia podem variar entre os indivíduos e diferem dependendo do tipo específico de leucemia. As pessoas com leucemia aguda são mais propensos a apresentar sintomas iniciais da doença do que as pessoas com formas crônicas do câncer.

Os primeiros sintomas de leucemia para pessoas com formas agudas da doença podem incluir febre, fadiga, infecções freqüentes, indolor e nódulos no pescoço, axilas, barriga, ou na virilha. Em muitos casos, as pessoas com o tipo crônico da doença não apresentam sintomas iniciais da leucemia. Quando os sintomas iniciais da leucemia se desenvolvem em tais casos, eles podem incluir a perda de peso se sentindo muito cansado, sem motivo conhecido, e suores noturnos.

Os sintomas comuns de leucemia aguda ou crônica podem incluir inchaço dos gânglios linfáticos, que geralmente não doem, febre, infecções freqüentes, sensação de fraqueza ou cansaço. Outro sintoma comum sangramento gengival, tais manchas arroxeadas na pele, ou pequenas pintas vermelhas sob a pele, inchaço ou desconforto no abdômen perda de peso, por motivo desconhecido, e dores nos ossos e articulações.

Na maioria das vezes, estes sintomas não estão relacionados ao câncer. Uma infecção ou outros problemas de saúde também podem causar estes sintomas. Qualquer pessoa com estes sintomas devem informar o médico para que os problemas podem ser diagnosticados e tratados o mais cedo possível.

Os médicos às vezes encontram leucemia após um exame de sangue de rotina. Se você tem sinais que sugerem que a leucemia, o médico irá tentar descobrir o que está causando os problemas. O seu médico pode perguntar sobre sua história clínica pessoal e familiar. A leucemia crônica muitas vezes passa despercebido por muitos anos e pode ser identificado em um exame de sangue de rotina. Na verdade, quase um em cada cinco pacientes com leucemia crônica não apresentam sintomas no momento do diagnóstico. A maioria dos sintomas da leucemia aguda é causada por baixos níveis de células sanguíneas normais, o que é devido à superlotação da medula óssea de formação do sangue pelas células de leucemia.